Páginas

Eficiencia, entendida aqui entre nós como menos desperdícios.

Convivemos com um desperdício incompreensível para um País onde muitas pessoas vivem em situação de risco. Dentre eles, meu foco é a melhoria de desempenho das redes de infra-estrutura urbana. Sòmente na área do Saneamento Básico, que se considera a rede de água, esgoto, drenagem e a coleta e tratamento do lixo, melhorias na qualidade de vida que se estima em R$1 Bilhão/ano foi registrada pela FGV-Fundação GetúlioVargas e Instituto Tatra ( julho, 2010), além de evitar a morte de mais de 1.000 pessoas. A rede de vias públicas insuficientes e com manutenção precária, afeta o sistema de transportes de materiais e de pessoas, com congestionamentos, poluição, desperdício de energia e principalmente consumindo o tempo das pessoas que poderia ser dedicado à sua melhoria de qualidade de vida.

Eficiencia, entendida aqui entre nós como menos desperdícios.

Convivemos com um desperdício incompreensível para um País onde muitas pessoas vivem em situação de risco. Dentre eles, meu foco é a melhoria de desempenho das redes de infra-estrutura urbana. Sòmente na área do Saneamento Básico, que se considera a rede de água, esgoto, drenagem e a coleta e tratamento do lixo, melhorias na qualidade de vida que se estima em R$1 Bilhão/ano foi registrada pela FGV-Fundação GetúlioVargas e Instituto Tatra ( julho, 2010), além de evitar a morte de mais de 1.000 pessoas. A rede de vias públicas insuficientes e com manutenção precária, afeta o sistema de transportes de materiais e de pessoas, com congestionamentos, poluição, desperdício de energia e principalmente consumindo o tempo das pessoas que poderia ser dedicado à sua melhoria de qualidade de vida.
Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 28 de fevereiro de 2010

RODOVIAS URBANAS - Urban Highway in Saskatchewan, Canada

Urban Highway Connector Program


Saskatchewan's population and business activity is increasingly centered in cities and larger towns. These urban communities serve as key collection and interchange points where export bound products trucked along rural highways are linked to national and international transportation corridors.
Urban connectors form an essential part of both the national and provincial transportation system. Efficiencies and the public interest are best served by the free flow of traffic, including travel on urban connectors. Producers and shippers cannot afford delays in urban areas caused by transportation bottlenecks.
The Urban Highway Connector policy recognizes that our urban communities play an important role in the provincial economy as generators of economic activity. Urban communities serve as key collection points where manufactured goods are warehoused and shipped by truck or rail to and from gateway ports.
The policy provides a framework for funding urban highway connectors based on the provincial interest and is built on several guiding principles:

Equitable treatment of all urban municipalities;
•Transparent and consistent policy framework;
•Reduced traffic congestion in and around urban centres;
•Enhanced traffic safety in urban areas;
•Improved corridor continuity and level of service on urban connectors
•Enhanced planning to meet future transportation demand; and
•Targeted resources to maximize benefits for the provincial economy.

The investment in urban connectors will reduce the cost of doing business and make Saskatchewan more attractive to investors. As well, it will improve quality of life through improved access and mobility for urban residents.
Urban Municipality Community Summaries
The following communities are listed alphabetically with an UHCP map, provincial interest map and a summary for each municipality that is eligible.

Related Documents

UHCP Rehabilitation Projects - Application Form
Under the Ministry of Highways and Infrastructure (MHI) Urban Highway Connector Program (UHCP), eligible urban municipalities may apply for funding for rehabilitation projects.
uhcp-application.pdf ( 31.4 KB )
UHCP Operation and Maintenance Grant Affidavit
uhcp-affidavit.doc ( 29.5 KB )
UHCP Rehabilitation Projects - Application Form (Word Document)
uhcp-application.doc ( 87 KB )
UHCP Rehabilitation Projects - Consultants Report on Prioritization Methodologies
Final Report prepared by AECOM Canada Ltd.
uhcp-methodolgies.pdf ( 721.2 KB )
UHCP Rehabilitation Projects - Summary of Prioritization Criteria and Processes

Nota:
Interessante esse programa de conexões urbanas com as rodovias, da Secretaria de Rodovias e Infra-estruturas.
A visão que temos da necessidade das cidades serem dotadas, não apenas de vias expressas ou avenidas de grande porte, mas de rodovias conectadas à grande rede estadual e nacional, por um lado, e por outro a grandes centros de distribuição e terminais de carga para diferentes modais de transporte. O que temos hoje é uma conexão deficiente, pois as avenidas e vias expressas urbanas acabam conectando-se com as rodovias interestaduais e intermunicipais, tendo, muitas vêzes os depósitos ( terminais de carga particulares e publicos) acessado pelas vias urbanas, no miolo da área urbanizada.
Os terminais de carga, centrais de distribuição, depósitos ou sede de transportadoras teriam maior eficiencia se as rodovias rurais, rodovias urbanas, e vias de acesso estivessem interligadas. Num esquema elementar, seria algo parecido com os tramos e as uvas de um cacho de uva, sendo os tramos as vias ( rodovia urbana e avenidas de acesso), as uvas os depositos. E o caule da parreira seria a rede intermunicipal, interestadual e internacional rodoviaria.
Como já escrevi anteriormente, a evolução tecnológica da engenharia civil permite que se façam os leitos rodoviarios e ferroviarios com traçados e perfis ( planta e cortes) praticamente iguais. Os novos perfis das estradas rodo e ferroviarios, podem ter sido em consequencia de exigências ambientais, pois : a) evitar cortes e aterros, tendendo portanto a evitar os leitos ao nível do solo; b) evitar interferências com fluxos naturais como os caminhos de água, caminhos de animais selvagens; c) evitar impactos a sitios naturalmente frágeis. Ao atender essas condições, os engenheiros optaram por estruturas aéreas e subterrâneas, mas seguindo critérios não-rodoviários, pois os trechos aéreos foram escolhidos para minimizar impactos na superfície do solo ( desmatamentos, cortes ou aterros), e a estrutura subterrânea, ou em túnel, escolhida para os trechos onde o impacto ambiental tendesse a zero.
Mais que traçar rodovias urbanas, essas estruturas rodoviarias poderiam estar relacionadas ao tipo de veiculo. As rodovias urbanas podem estabelecer que seriam para o uso exclusivo para veículos leves ( automoveis e camionetes até 2 Toneladas de carga), carroceria tipo baú fechado, combustivel não poluente ( alcool, gas natural), entre outras caracteristicas.
As rodovias urbanas compartilhariam o leito carroçavel com os trilhos de Tramway ou VLT, para transporte de passageiros ou de cargas ( periodo da madrugada). Compartilhariam também com redes de cabos e tubulações diversas, assim como com estações de rebaixamento de energia, estações de tratamento de agua, de esgoto e depositos diversos de uso publico.
As rodovias urbanas seriam entubadas, reduzindo o ruido emitido para o entorno, e por outro lado, possibilitando a geração de energia eletrica e a captação e reservação de agua de chuva .

Nenhum comentário:

Postar um comentário