Páginas

Eficiencia, entendida aqui entre nós como menos desperdícios.

Convivemos com um desperdício incompreensível para um País onde muitas pessoas vivem em situação de risco. Dentre eles, meu foco é a melhoria de desempenho das redes de infra-estrutura urbana. Sòmente na área do Saneamento Básico, que se considera a rede de água, esgoto, drenagem e a coleta e tratamento do lixo, melhorias na qualidade de vida que se estima em R$1 Bilhão/ano foi registrada pela FGV-Fundação GetúlioVargas e Instituto Tatra ( julho, 2010), além de evitar a morte de mais de 1.000 pessoas. A rede de vias públicas insuficientes e com manutenção precária, afeta o sistema de transportes de materiais e de pessoas, com congestionamentos, poluição, desperdício de energia e principalmente consumindo o tempo das pessoas que poderia ser dedicado à sua melhoria de qualidade de vida.

Eficiencia, entendida aqui entre nós como menos desperdícios.

Convivemos com um desperdício incompreensível para um País onde muitas pessoas vivem em situação de risco. Dentre eles, meu foco é a melhoria de desempenho das redes de infra-estrutura urbana. Sòmente na área do Saneamento Básico, que se considera a rede de água, esgoto, drenagem e a coleta e tratamento do lixo, melhorias na qualidade de vida que se estima em R$1 Bilhão/ano foi registrada pela FGV-Fundação GetúlioVargas e Instituto Tatra ( julho, 2010), além de evitar a morte de mais de 1.000 pessoas. A rede de vias públicas insuficientes e com manutenção precária, afeta o sistema de transportes de materiais e de pessoas, com congestionamentos, poluição, desperdício de energia e principalmente consumindo o tempo das pessoas que poderia ser dedicado à sua melhoria de qualidade de vida.
Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

CALÇADAS MAIS LARGAS, CALÇADAS PARA PEDESTRES

Esse título soa estranho. Pois bem, calçadas mais largas seria, como disse uma colega arquiteta, o indicio de "mais democracia" na cidade. Dá mais conforto e segurança para os pedestres, além de acomodar melhor os elementos urbanos, chamados de "mobiliário urbano" ( street furniture)como os postes diversos ( cet, bandeirantes,prefeitura, troleibus, etc.), orelhões,caixas de correio, árvores,floreiras,mesinhas e cadeiras, produtos comerciais, latão de lixo entre outros. A realidade é que o uso das calçadas não prioriza os pedestres. Em calçadas com menos de 1m de largura ( que existem, e muitas) postes ocupam o espaço do pedestre e este é obrigado a andar na faixa carroçavel ( exclusiva para veículos).
Calçadas para pedestres, priorizadamente para pedestres, deveria ser exigida por Lei. Algo assim: ...as calçadas devem priorizar a circulação LIVRE de pedestres, com uma faixa desimpedida de no mínimo 1,20m de largura, em rampa contínua, com inclinação máxima igual à da guia onde se localiza, no sentido longitudinal, e com inclinação transversal de no máximo 10%... .
Casos onde a via seja estreita demais para compotar calçadas e via carroçável, continua a prioridade do pedestre, isto é, ...onde não comportar calçadas e via carroçável, TODA a via será de uso de pedestres, permitindo-se o transito de veículos na velocidade máxima de 20km/h...
Enfim, priorizar o pedestre no uso das vias publicas, resultando daí inúmeras soluções COMPATIBILIZANDO VEICULOS E PEDESTRES.

Nenhum comentário:

Postar um comentário